Perfil do Agressor | Porto Canal

A violência é um tema cada vez mais comum nos meios de comunicação social. Normalmente falamos sempre da perspetiva da vítima, mas raramente exploramos a perspetiva do AGRESSOR.

Todos somos fruto das experiências que vivenciamos. Muitas vezes, um agressor é alguém que passou por vários momentos traumáticos que condicionam as suas emoções e ações.

O filme ‘JOKER veio levantar algumas questões e alertar para o tema:

“será que o agressor tem motivos para ser agressor?”, “será que as pessoas com doenças mentais ou distúrbios emocionais são tratados pela família e pela sociedade de forma tão discriminatória que potencia comportamentos errados?”

Já são vários os estudos na área da psicologia e até da neuropsicologia que tentam traçar as características comuns e principais aos agressores. De uma maneira geral, podemos dizer que todos os agressores passaram por momentos traumáticos na sua infância, viviam em famílias disfuncionais, têm problemas de autoestima e de confiança, sentem-se rejeitados e incompreendidos pela sociedade e já foram vítimas de algum tipo de agressão na sua vida. Contudo, apesar de haver características intimamente ligadas ao perfil do agressor, nenhum motivo pode ser desculpa para a agressão.

Quais as características mais comuns dos agressores?

Podemos definir 10 características que poderão estar na origem de uma personalidade agressora:

  1. Carência Afetiva

Pessoas que têm carência de afetos, que nunca foram amadas ou protegidas. Não conviveram em ambientes afetuosos.

  1. Crenças

Por norma, estas pessoas têm pensamentos e crenças distorcidas, nomeadamente sobre as diferenças de género. Considerando a mulher ou a criança como um ser inferior, o que por si só justificaria a ação violenta.

  1. Dificuldade de Comunicação

Nesta característica enquadram-se dois tipos de agressores: os tímidos, que têm dificuldade em comunicar (medo, vergonha) e os rudes, que só conseguem comunicar através das agressões verbais, gritos e palavrões. A incapacidade de comunicar e se relacionar com os outros pode levar a comportamentos ofensivos e violentos.

  1. Baixa Autoestima

Pessoas que não gostam de si, que não se sentem amadas, que não acreditam no seu valor, tendem a tornar-se desconfiadas e defensivas. Sendo que a melhor defesa é o ataque, as pessoas com estas caraterísticas tornam-se facilmente agressores.

  1. Baixa Tolerância à Frustração

A incapacidade para lidar com problemas, a intolerância à rejeição e à frustração são características que favorecem comportamentos agressivos.

  1. Ciúmes

Pessoas ciumentas, que tem dificuldade em confiar nos outros, provavelmente porque já foram alvo de traições no passado, são pessoas tendencialmente agressivas para os seus companheiros.

  1. Demonstração de Machismo

Homens que viveram em seios familiares tradicionais, com ideias machistas enraizadas são pessoas tendencialmente machistas, com sentimentos de posse e de pertença perante o parceiro, o que pode levar a comportamentos extremamente agressivos e desproporcionais.

  1. Álcool e outras Drogas

O uso de substâncias psicotrópicas está frequentemente associado ao perfil dos agressores. Obviamente que estas substâncias, que alteram a perceção da realidade, tornam, muitas vezes, as pessoas agressivas.

  1. Alterações de personalidade

Características de personalidade como o narcisismo ou a fobia social são características associadas ao perfil dos agressores, muito frequentemente. Este tipo de pessoas tem uma má relação com os outros, não se sabe relacionar. Uns porque são fóbicos socias, não gostam de ser o centro das atenções e evitam qualquer tipo de contacto com os outros. Outros porque são narcisistas, querem ser o centro das atenções e relacionam-se de forma exagerada e invasiva com os outros.  Qualquer uma destas características não é saudável no relacionamento humano, motivo pelo qual pode levar a comportamentos ofensivos como estratégia de defesa.

Podemos ajudar um agressor?

Sim, um agressor pode e deve ser ajudado. Nem sempre reconhecem que têm um problema, por isso é importante que todas as pessoas, principalmente a família ou os amigos, estejam atentos para identificar o problema e encaminhar, se possível, para um profissional especializado que ajude.

A Psicoterapia HBM é uma ferramenta muito eficaz nestes casos, porque consegue descobrir a origem do problema, a verdadeira causa, o trigger point, que levou o agressor a comportar-se como tal. Vai resolver e desbloquear o que está a provocar e condicionar os comportamentos do presente, através de exercícios psicológicos que trabalham o consciente de forma inconsciente.

Consultório | Porto Canal

O Dr. Pedro Brás esteve no programa Consultório, no Porto Canal a falar sobre o tema. Teve oportunidade de responder às perguntas dos telespetadores.

Comentários