8 Mitos sobre a Depressão

Apesar de ser uma das perturbações mais comuns e incapacitantes em todo o mundo, ainda há um grande desconhecimento sobre a Depressão. Vamos desmitificar algumas ideias erradas que ainda existem.

1. Se a pessoa consegue ir trabalhar e ser minimamente funcional, não tem depressão.

Socialmente, quando pensamos em depressão, temos em mente a imagem de uma pessoa sempre muito triste, com choro fácil, que se isola e não tem forças para se levantar da cama. Esta imagem não está errada. Contudo, é importante falar de uma grande percentagem de pessoas que, dia após dia, tentam camuflar este peso emocional. Pessoas que fazem um sacrífico enorme em contrariar esta vontade de se isolar, como forma de se desligar de tudo. Pessoas que levam um dia de cada vez, que vão trabalhar, que continuam a ter as suas rotinas, mas que chegam ao final do dia com uma sensação enorme de exaustão emocional por terem conseguido carregar, mais um dia, esta máscara emocional.

Alguém me disse em consultório, que preferia ter um cancro do que ter depressão. Pois, socialmente, um cancro é visível e compreensível, as pessoas até conseguem sentir empatia para com o doente. Infelizmente, a depressão, assim como todas as outras perturbações emocionais, são doenças silenciosas intensificadas por uma sensação angustiante de solidão.

2. A Depressão é a doença da moda, dos fracos e de quem tem demasiado tempo.

A Depressão é uma doença emocional que pode afetar qualquer um de nós. Ninguém escolhe entrar num estado depressivo, o sofrimento é real e limitador. Qualquer perturbação emocional nasce de um desequilíbrio na nossa estrutura emocional. Este desequilíbrio nada tem a ver com fatores externos, mas sim com as emoções que a pessoa sentiu das experiências que viveu ao longo da vida. A verdade é que, cada vez mais, se ouve falar de depressão, não porque é uma doença da moda, mas porque as pessoas procuram mais ativamente ajuda para conseguir ultrapassar este estado perturbador.

3. A Depressão é algo que se consegue reverter, basta ter força de vontade.

Há já uns anos, assistimos a uma proliferação de ferramentas de autoajuda. Livros, músicas, técnicas de meditação, incentivo ao exercício físico e/ou ao pensamento positivo, são os exemplos mais comuns. No entanto, toda esta informação é generalista e não se foca nas necessidades do próprio indivíduo. A depressão é uma doença emocional.

As emoções que sentimos no dia a dia, são quase impossíveis de controlar, são inconscientes, acontecem apenas. Da mesma forma que não conseguimos controlar os nossos batimentos cardíacos, uma pessoa com depressão não consegue deixar de o ser, até com a ajuda das ferramentas referidas acima. Por muita força de vontade que possa ter, existe uma diferença entre o querer e o conseguir. Por esta razão é necessário recorrer à ajuda de um profissional de saúde que possa auxiliar no tratamento desta perturbação.

4. A depressão é uma doença das mulheres.

De facto, a taxa de incidência de depressão é maior nas mulheres. Contudo, a depressão nos homens não pode ser descurada. Até porque existe ainda um forte estigma no que concerne às doenças emocionais, principalmente entre homens. A verdade é que as mulheres têm mais facilidade em falar e expressar as suas emoções e por esta razão procuram mais facilmente ajuda do que os homens. Esta diferença na taxa de incidência pode dever-ser a isso mesmo. A Depressão não é só uma doença das mulheres, a depressão e todas as outras perturbações emocionais são doenças de quem sente. Todos nós somos seres emocionais, todos nós podemos desenvolver estes distúrbios.

5. É preciso ter vivido um evento traumático muito forte para se ter uma depressão.

A Depressão é caracterizada por sentimentos de tristeza profunda e de angústia. Estas emoções surgem de experiências negativas vividas ao longo da vida, podendo estas ser traumáticas ou não. Tudo depende da forma e intensidade das emoções sentidas das experiências de vida. Assim, o mais importante não é a experiência em si, mas o que se sentiu da experiência vivida, da forma como esta foi analisada e processada na nossa mente.

6. A Depressão nasce com a pessoa e por isso não pode ser tratada.

Esta temática é sempre muito difícil de desmitificar porque ainda são muitas as pessoas que acreditam na parte genética das doenças emocionais. Contudo, defendo que ninguém nasce com Depressão ou com qualquer outra perturbação emocional. As experiências que vivenciamos ao longo da vida, e as emoções que sentimos das mesmas é que vão condicionar a nossa estrutura emocional e consequentemente a nossa forma de ser (personalidade). Por esta razão, se a determinada altura da vida se adquire um estado depressivo, também se consegue reverter o processo, através de um acompanhamento psicoterapêutico adequado que permita a dissociação emocional.

7. A Depressão só surge nos adultos.

Como é natural, as crianças e adolescentes não expressam as suas emoções da mesma forma do que os adultos. No entanto, os cuidadores devem estar atentos a algumas alterações emocionais e/ou de comportamentos. A Depressão não tem idade. Como em qualquer outra faixa etária, as crianças e adolescentes devem sentir-se à vontade para falar das suas emoções com as pessoas que lhes são mais próximas.

8. A Depressão é causada por baixos níveis de serotonina e só com a medicação é que se consegue tratar.

Fisiologicamente, a Depressão está associada aos níveis de serotonina. Porém, acredita-se que são as nossas emoções que provocam uma resposta fisiológica. Da mesma forma que quando nos encontramos perante uma situação de perigo iminente, os nossos níveis de adrenalina vão oscilar de acordo com a análise da situação que estamos a viver, de acordo com a intensidade do medo (emoção) sentido. A Depressão surge então como consequência das emoções sentidas relativamente às experiências vividas ao longo da vida. A intensidade destas emoções é que vão alterar a nossa forma de estar e consequentemente, a nossa fisiologia.

Comentários