PRÁTICA CLÍNICA EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA

Trazer o seu filho à Clínica da Mente faz de si um super-pai!

Um bom pai ou mãe conhece bem o seu filho e está sempre atento aos sinais de alarme de uma situação nova. Uma atitude informada e preventiva por parte dos pais evita situações de perturbação mais graves no futuro.

A Clínica da Mente, através da intervenção informada dos seus Psicoterapeutas, constrói e mantem uma atitude aliada com a família e com a escola de forma a melhor compreender cada situação clínica e tomar medidas conscientes promotoras da evolução de cada caso. Rejeitamos rótulos limitadores de um desenvolvimento saudável e colocamo-nos distantes da solução psicofarmacológica.

  • Acha que o seu filho tem dificuldades na escola?
  • Vê-o com esforço a fazer os trabalhos de casa ou ansioso com alguma tarefa da escola?
  • mãe consola o seu filho, cuidando da saude mental na infanciaVerifica que os resultados académicos não correspondem ao esforço que desenvolve?
  • O seu filho criou rituais próprios que aliviam a sua ansiedade?
  • Passou a repetir comportamentos estranhos e dá-lhe explicações para realizá-los?
  • Preocupam-no as perguntas que ultimamente lhe tem feito?
  • Recebe queixas da escola acerca da falta de concentração do seu filho?
  • Parece-lhe inquieto e afasta todos em seu redor?
  • Disseram-lhe que o seu filho pode ter uma perturbação de hiperatividade com défice de atenção (PHDA)?
  • Tem a certeza que sabe exatamente o que é hiperatividade? E o défice de atenção?
  • Acha os medos do seu filho exagerados?
  • Evita certas situações e reage de forma descontrolada?
  • Não dorme como antes e refugia-se em casa?
  • Tem ataques de fúria e chora no momento seguinte?
  • Sabia que os mais novos também têm estados depressivos?
  • Deixou de ver o seu filho alegre e despreocupado?

Queremos que as crianças e os adolescentes que procuram a Clínica da Mente se tornem pessoas felizes e com uma autoestima fortalecida. Quanto menor a idade do paciente Júnior, maior a dificuldade para identificar, nomear, comunicar o que está a sentir e pedir ajuda para ter o que necessita. Por isso é muito importante que a família e os educadores fiquem atentos ao desenvolvimento da criança e às suas rotinas habituais e, caso se apercebam de sinais constantes e diferentes do habitual, contactem a Clínica da Mente. A melhor forma de prevenir é cuidar de imediato, travar para que o problema não se instale. Muitas perturbações persistem na vida adulta quando não é prestada a devida atenção na infância e na adolescência, havendo o risco de ocorrência de outro tipo de reações.

PARENTALIDADE CONSCIENTE

pais atentos e conscientes passeiam com os filhos num pontão da praia ao por do sol, transparecendo tranquilidade e harmonia em famíliaÉ normal que sinta Medo em não ser boa mãe ou bom pai, boa avó ou avô, bom educador se assumiu como legado criar pessoas felizes. Queremos ajudá-lo na nobre tarefa que é educar. Uma missão que não se esgota na parentalidade mas que se estende nas demais práticas do seu dia-a-dia, como cidadão, como profissional de uma determinada área, como marido, filho, amigo, como homem ou mulher. Para que os seus filhos sejam a melhor versão de si mesmos, genuínos e felizes, você próprio tem que encontrar a sua melhor versão.

Será que há um estilo parental mais correto para educar bem? Alguma vez pensou: “Estarei a fazer isto bem?”, “Será que passo tempo necessário com o meu filho?”, “Com o mais velho foi tão simples, com o mais novo está a ser tudo tão diferente, muito mais difícil!”, “Sinto-me esgotado e perdido, já tentei de tudo, já não sei mais o que fazer para me obedecem.” E se algumas das “respostas” que temos para educar estiverem erradas? Se trocássemos de lentes, a nossa forma habitual de ver as coisas lá em casa, faríamos diferente? Ser-se bom educador implica reconhecer, implica uma elevada dose de autoconsciência.

Provavelmente, necessita de apoio na sua parentalidade se acontece isto consigo:

  • Quer educar precisamente de forma oposta ou igual àquilo que foi a sua própria educação;
  • Protege em demasia o seu filho;
  • Descarrega no seu filho;
  • Hesita nas suas reações e contradiz atitudes;
  • Há diferentes formas de educar na sua família o que causa conflito e mau ambiente;
  • Tem dúvidas nas práticas educativas que tem com o seu filho;
  • Não sabe brincar com ele;
  • Sente que o seu filho: não o respeita; não é feliz; tem Medo de si;
  • Sente que não está a ser um bom exemplo para os seus filhos, culpabilizando-se.

mae e filha de maos dadas no campo em tranquilidade e mindfulnessA Parentalidade Consciente tem por base os princípios da atenção plena, educar com Mindfulness é estar no momento presente, sem críticas, julgamentos ou avaliações: olhar para a criança ou adolescente no seu todo e não apenas para o seu comportamento que acabou de ocorrer, na tentativa de o alterar. O pai ou mãe mais consciente reconhece as suas próprias necessidades e direciona a sua ação em relação às necessidades da criança e do adolescente, colocando-se no lugar deles, não reage por impulso, e nesse momento o comportamento altera-se. O pai ou mãe mais consciente confia no seu instinto e relativiza os comentários alheios.

Às vezes só queremos saber que estamos a fazer as coisas da melhor maneira possível. A nossa inspiração são os ensinamentos da Mikaela Övén.

As consultas com pais, avós, padrinhos ou outros familiares que tenham a intenção de participar ativamente no bem-estar da criança ou do adolescente, decorrem de forma integrada no tratamento prescrito pela Equipa Clínica ao paciente júnior ou num acompanhamento singular regular.