Mensagem para a rapariga que perdeu a esperança – Testemunho

De: Uma rapariga feliz
Para: Uma rapariga que perdeu a esperança

Olá. O meu nome é Sofia, tenho 15 anos, e podia não ter celebrado este último aniversário se não tivesse “aberto os olhos”.

Sofia e Marta Calado felizes pela recuperação

A vida nunca é fácil, mas não quer dizer que seja má. A vida não é má, a fase da vida que estás a passar é que é má. Se esta fase for boa, vai haver uma má, inevitavelmente, porque a vida é assim mesmo, difícil.

Por vezes não há lógica, mas no fundo nada tem lógica. É isso que é bom na vida. Porque é que nos rimos de uma piada seca, se supostamente não tem piada? É incontrolável. E então, porque é que choramos? Esta já é mais complicada de explicar. Talvez porque não tem explicação! Mas chorar é bom, por vezes melhor que rir, porque o choro é aquele acontecimento em que realmente tudo vem ao de cima. Aquele momento em que és verdadeiro contigo mesmo, em que sentes tudo aquilo que vens a tentar esconder.

Por isso chora, não faz mal chorar, não és mais fraca por isso. Pelo contrário, faz de ti forte, destemida, pois agora já não tens medo.

Pára, pousa a tesoura, não desistas, levanta-te, anda lá, tu consegues. Eu sei que agora é difícil, mas vai passar, vai ficar tudo bem. Confia.

Tens tanto para fazer, tanta música country para ouvir, tantas asneiras para construir. Meu Deus, ainda te falta tanto de VIDA! Anda lá, a Escócia está à tua espera, o teu restaurante vai fechar se cá não estiveres. E as aulas? Eu sei que são uma seca, mas são elas que te vão levar para onde queres ir. Ainda tens tantas cores para pintar o cabelo, nem sabes o corte radical que vais fazer, acredita.

Dói, eu sei que dói, eles são maus para ti, mas prova-lhes que eles estão errados, prova-lhes o contrário, pois um dia vais ficar tão orgulhosa de ti mesma. Os amigos são terríveis? Não faz mal, um dia vais encontrar uma turma incrível com quem partilhar experiências, histórias, sorrisos. (E finalmente chegou esse dia!) Não acreditas? Então espera, e vais ver que vai correr tudo bem. Não desistas.

Ainda vais dar tantas quedas no metro, vais comer tanta batata frita, ainda vais ter mais dois gatos, não vai ser incrível?

Então anda, dá-me a mão, levanta, recompõe-te, porque a tua vida só começou agora, e o que está para vir vai compensar.

 

Testemunho gentilmente cedido por Sofia, paciente da Clínica da Mente Crianças e Adolescentes e da Dra. Marta Calado