A nossa Equipa

Ana Medeiros

Dra. Maria Medeiros

  • Psicoterapeuta Especialista
  • Licenciatura em Psicologia
  • Mestrado em Psicologia Clínica
  • Especialista em Psicoterapia HBM
  • Contacto:

Quem sou

Desde que me conheço que em mim reconheço uma infinita curiosidade e necessidade de reflexão, análise, observação e questionamento sobre as questões do Ser e de todos os processos mentais que conferem as cores a tudo o que concorre para virmos-a-ser quem somos.

Foi pelo vivido das experiências e nas escolhas do meu percurso académico, profissional e biográfico que pude compreender que é no mundo, com os outros, que nos constituímos e, pela corporalidade que, antes de mais, estabelecemos esse contacto.

A Psicologia foi uma dessas escolhas. Abriu o pórtico de um horizonte sem limites que possibilita, como na vida, vários olhares e caminhos a percorrer. A Fenomenologia e o Existencialismo devolveram-me a capacidade de olhar como se olha pela primeira vez, despojada, com abertura plena ao que se revela a partir de si mesmo, “desaprender” o aprendido.

Todavia, foi na Psicoterapia que encontrei o significado mais fecundo que impeliu a dimensão profissional da minha vida nesta direcção. Por assentar em pilares científicos que são absolutamente insofismáveis, por obedecer a Princípios de ética, rigor, resultados, confiança, respeito, liberdade, cuidado terapêutico e humanismo. Mas, sobretudo pelo Encontro terapêutico, onde o Outro pode ser quem é, reencontrar-se e redescobrir-se num espaço imbuído de abertura à sua fundadora alteridade, aceitação, compreensão e de resgate da liberdade, humanidade e felicidade que o “adoecer” lhe foi fechando. A questão da verdade clínica reside, antes de mais e acima de tudo, na vida, na existência, em que está permanentemente a ser desafiado o próprio ser do Homem.

Na esteira da Psicoterapia, surge o Modelo Psicoterapêutico HBM, que permitiu o preencher de lacunas quanto à compreensão do funcionamento mental das perturbações da Ansiedade e da Depressão; uma concepção da mente que explicita, sem patologizar, nem medicalizar; uma exigência maior no que respeita aos resultados, dada a sua eficiência e eficácia; a aquisição de ferramentas de intervenção capazes de produzir os resultados que conferem o sentido de realização do profissional de saúde mental: ver a mudança das Pessoas que nos procuram e nela, a felicidade que desejam. As palavras-chave que aqui se encerram são Cuidado e Felicidade.

Ler Mais

Ler Menos